CENTRO DE EXCELÊNCIA INTERNATION CENTER OS EXCELLENCE
Tel: (21) 2295-5731
Rua Paulo Barreto, 73
Botafogo - RJ


Calcule seu IMC

Saiba seu índice de massa corporal e, de acordo com o resultado, quais providências ideais deverá tomar.
kg
cm
Ação social Obesidade sem marcas - Cirurgia menos invasiva
Compartilhar esta página:

Ainda não sou paciente, o que você precisa saber?

Como identificar o meu grau de obesidade?

A obesidade é dividida em graus de gravidade. Seus graus vão de sobrepeso a superobesidade mórbida. Os riscos á saúde do paciente aumentam na medida e na progressão em que aumenta o ganho de peso. Com o aumento de peso o paciente adquire mais possibilidade de desenvolver doenças decorrentes deste ganho ponderal.

A maneira mais facil e prática de determinar o grau de obesidade é pesar, medir a altura do paciente e calcular, baseado nestes números o grau do indice de massa corporal ou IMC.

Os riscos de permanecer obeso são maiores que o risco de realizar a cirurgia. Outra maneira de definir o grau de obesidade é atraves do exame chamado bioimpedancia, seu custo no entanto é alto e necessita especialista treinado para manusear o aparelho. Sua acuracia é melhor e com o mesmo podemos definir o grau de musculatura, é o melhor exame para fazer o acompanhamento da perda de peso no pós-operatorio.

Como saber se estou apto para cirurgia?

O processo de avaliação é longo e complexo, dura aproximadamente 2 meses e além de um conjunto de exames muito aprofundados é fundamental analisar o perfil do paciente.

Nesta avaliação participarão o psicólogo, nutricionista, clínico, endocrinologista, cardiologista, anestesista, gastroenterologista, ginecologista, dentista e outros, de acordo com a necessidade individual do paciente. Cada caso é um caso e não existem fórmulas prontas.

Os pacientes além de toda essa avaliação passam por palestras informativas na companhia do familiar responsável e somente após todo o protocolo ter sido realizado é que poderemos afirmar quem está ou não apto a realizar esse tratamento.]


Como inicio o meu tratamento no Instituto?

Existem duas maneiras de iniciar o processo:

Processo Tradicional:

1) O paciente agendará uma consulta com um dos cirurgiões.
2) Com indicação de cirurgia, serão solicitados os exames iniciais.
3) Agendamento da palestra informativa.
4) Com os exames prontos o paciente será avaliado pela equipe multidisciplinar.
5) Apos a avaliação o paciente retornará para o cirurgiao responsável.
6) Com todos os exames e avaliações o paciente agendará sua cirurgia.

Processo Otimizado :

1) O paciente participará da palestra informativa.
2) No dia da palestra o paciente receberá seus pedidos de exames.
3) Com os exames prontos agendará sua primeira consulta com um dos cirurgiões.
4) Se o caso for de indicação cirurgica será avaliado pela equipe multidisciplinar.
5) Apos a avaliação o paciente retornará para o cirurgião responsavel.
6) Com todos os exames e avaliações o paciente agendará sua cirurgia.

Pessoalmente preferimos o segundo processo.
A consulta de primeira vez é muito importante e fundamental.
Os exames ajudam muito e definem melhor quem tem ou não indicação cirurgica.
Realizar a consulta de 1a vez apos a palestra facilita o atendimento e as duvidas são melhor esclarecidas.
O paciente decide qual a melhor maneira e como quer ser atendido.


Qual o tempo de carência para cirurgia da obesidade?

Os planos de saude e a Agencia Nacional de Saude entendem que a obesidade mórbida é uma doença pré-existente e portanto tem a exigencia de cumprir 2 anos de carencia contratual.

Existem planos empresariais que seguem regras diferenciadas, legislação e regulação diversa. A equipe se reserva ao direito de não operar pacientes que não tenham o direito legal adquirido, portanto sugerimos que antes de iniciar o processo todos deverão checar seus direitos contratuais.
A equipe não concorda em realizar a cirurgia por força de liminar judicial nos casos do direito não adquirido.



Por que operar?

A cirurgia é um procedimento de excessao e é o ultimo tratamento a ser feito ou indicado. Indicamos a cirurgia nos casos de falha de tratamento clinico realizado por mais de 2 anos consecutivos, onde houve falha da dieta alimentar e na impossibilidade do uso de medicações suplementares.

Indicamos a cirurgia nos casos de obesidade mórbida e obesidade grave com doenca associada. O objetivo maior da cirurgia não é o emagrecimento mas o melhor controle ou cura das doenças associadas a obesidade.

O objetivo maior da cirurgia é a melhora da qualidade de vida e o prolongamento desta expectativa, consequencia de um emagrecimento controlado e saudavel.
Indicamos a cirurgia quando o risco de permanecer obeso ultrapassa o risco de realizar um procedimento cirurgico.

Indicamos a cirurgia de obesidade não por uma justificativa estética.

A cirurgia de obesidade é uma ferramenta necessaria, estudada, comprovada e com resultados positivos ja estabelecidos.

Nossos procedimentos cirurgicos seguem rigorosamente as orientaçoes de qualidade das Sociedades Cientificas Nacionais, Internacionais e os protocolos estabelecidos pelas Portarias do Ministerio da Saude.



Quais os benefícios da cirurgia da obesidade?

Analisando retrospectivamente nossa casuistica de pacientes atendidos e operados , analisando artigos indexados e publicados nas principais revistas cientificas, encontramos um inequivoco beneficio do paciente obeso morbido tratado cirurgicamente quando comparado com pacientes não operados.

A incidencia de mortalidade em nossa serie foi de 0,22% e a incidencia de mortalidade entre os nossos pacientes e não operados foi 1420% maior, ou seja, houve uma mortalidade muito maior decorrente das doenças associadas entre aqueles que decidiram por não fazer o procedimento.

Diversos artigos cientificos demonstraram um aumento de 25 anos na expectativa de vida, uma diminuição de 960% na incidencia de Infarto agudo, uma diminuição de 570% na incidencia de cancer de mama e endometrio , controle total do diabetes mellitus tipo II em até 98% dos casos com até 2 anos de doença, o controle total da hipertensão arterial em 95% dos casos e uma melhora substancial, proporcional em numeros demonstrados acima, nas outras doenças, tambem causadas pela obesidade.

Conseguimos demonstrar que 85% dos pacientes atendidos no Instituto, antes da cirurgia, alegaram sofrer algum grau de Depressão e inumeras inadaptabilidades sociais e economicas.

Esse numero reduziu para 6% apos um ano de cirurgia.
Desde 2007, sistematicamente, foram aplicados mais de 2100 testes de avaliação de qualidade de vida (BAROS) entre pacientes operados, (nas mais diversas tecnicas ) os indices de satisfação com a cirurgia e melhora de qualidade de vida atingiram a pontuação maxima em 96% dos casos.


Quais os riscos da cirurgia?

Os procedimentos cirurgicos são divididos em pequenos, medios e grandes. São divididos em superficiais e profundos. As cirurgias podem ser classificadas em limpas, potencialmente contaminados e contaminados.

O risco de todo e qualquer procedimento cirurgico depende alem dos fatores acima, da idade, do sexo, das doenças associadas, dos habitos pregressos, do abuso e utilização previo de drogas licitas e ilicitas, da genetica, de fatores nutricionais e etc.

Existem varias cirurgias, diferentes procedimentos, diferentes pacientes, portanto para cada paciente tratado existirão riscos diferentes.

Cada caso deve ser analisado de maneira individual e não existem casos semelhantes. O paciente e seus familiares devem entender que qualquer procedimento cirurgico envolve risco, seja grande ou pequeno e a cirurgia de obesidade não é diferente de nenhum outro procedimento.

A cirurgia de obesidade é considerado um grande procedimento cirurgico, complexo, realizado em pacientes que são considerados de alta complexidade, normalmente esses pacientes são portadores de doenças associadas graves e usam medicações de dificil controle.

A indicação da cirurgia de obesidade deve seguir rigoroso protocolo de preparo, seguir orientações e indicações de acordo com as normas ja estabelecidas do Ministerio da Saúde, Conselho Federal e Regional de Medicina e Sociedades Cientificas.

O indice de mortalidade da cirurgia de obesidade, de acordo com a literatura médica, pode variar de 0,5 a 1,5%.

Varias causas podem levar um paciente ao óbito decorrente de um procedimento cirúrgico, as mais comuns são embolia pulmonar, sangramentos e hemorragias digestivas, fistulas intestinais com peritonite, sepsis, pneumonias, inflamações e infecções organicas, problemas anestesicos e outros.

A decisão de operar deve ser muito bem pensada pelo paciente e por sua familia, o preparo pre-operatorio deve ser bem feito e a cirurgia deverá ocorrer em hospital adequado à realização de grandes procedimentos.

Raramente encontramos pacientes ou familiares preparados para enfrentar um insucesso ou uma complicação cirurgica, apesar de esclarecermos exaustivamente todas as possibilidades. Neste momento é fundamental a confiança da familia no profissional , acreditar na capacidade técnica da equipe e manter uma relação de amizade e respeito mutuo.

As complicações normalmente exigem internações prolongadas e re-operações, isso gera angustia , stress, pesar e questionamentos. É fundamental entender que a cirurgia não é um comercio, não pode seguir as mesmas regras de relações de consumo, ou seja, não existem garantias de que a cirurgia dará certo ou que o paciente não terá complicações.



Que doenças eu posso ter por estar obeso?

Existem mais de 50 doenças associadas a obesidade, as principais sao: diabetes, hipertensão arterial, osteoartroses, incontinencia urinaria, colelitiase, esteatose hepatica, depressão, ovários policisticos, impotência, varizes e muitas outras.



A partir de que idade é indicado o tratamento cirúrgico?

Não existe idade ideal para indicar a cirurgia , existe momento ideal. Idade não é doença!
Existe um consenso técnico de que a cirurgia deve ser indicada a partir de 18 anos de idade, mas já tivemos caso de ter que indicar cirurgia para adolescente de 14 anos. O importante é analisar o caso de maneira cuidadosa e individualizada.



Qual técnica é usada pelos cirurgiões da Equipe?

Nós não temos uma técnica preferida e não acreditamos que exista uma técnica melhor ou pior. Acreditamos que o importante não é a técnica, mas sim em quem aplicamos. Nós não fazemos uma técnica igual para todo mundo, não seguimos rótulos, não vendemos cirurgia e não somos cortadores de estômago ou desviadores de intestino.

Somos médicos, tratamos de pessoas e essas não são iguais. Cada caso é um caso diferente, os pacientes devem ser tratados de maneira individualizada.

Existem 15 maneiras de fazer cirurgia bariatrica e nós fazemos todas as técnicas, depende do paciente e das condições de saúde do mesmo. Portanto, antes de dizer qual e a melhor cirurgia devemos primeiro avaliar, somente depois discutiremos o melhor procedimento.


IFV nas redes sociais:

     
Copyright © Todos os direitos reservados ao Instituto de Cirurgia do Aparelho Digestivo e da Obesidade | Desenvolvido por 3dweb.com.br